sábado, 4 de abril de 2009

Oposição planeja expor ‘atrasos’ do PAC no Youtube Arma-se também uma campanha em 'defesa da poupança'

PSDB, DEM e PPS preparam uma “ofensiva” contra o governo. Planejam usar munição tradicional e armamento tecnológico.

Programam a abertura de um portal oposicionista na web. A idéia é que funcione como uma plataforma virtual de fiscalização da gestão Lula.

Terá textos e, sobretudo imagens. Deseja-se levar ao Youtube imagens de obras atrasadas do PAC, programa gerido pela ministra-candidata Dilma Rousseff.

Desarticulada e sem discurso, a oposição busca a reestruturação. Idealizado em segredo, o plano foi esboçado em dois encontros.

Será esmiuçado em novas reuniões, de periodicidade semanal. São comandadas pelos presidentes das três legendas que se opõem a Lula.

Sérgio Guerra (PSDB), Rodrigo Maia (DEM) e Roberto Freire (PPS) recrutam expoentes dos respectivos partidos. E montam uma rede de assessores técnicos.

Unificadas em torno do projeto presidencial do tucanato, a trinca de partidos concluiu que agia de modo disperso.

Daí a decisão de reunir esforços e tentar organizar o contraponto ao governo e à candidata oficial. A última reunião ocorreu na terça-feira (31).

Foram à mesa, além da idéia de explorar a internet, outras duas propostas: a defesa da causa dos municípios e a realização de uma campanha nacional.

O suporte aos prefeitos teve materialização instantânea. Ganhou, no dia seguinte, a forma de um projeto de lei.

Propõe que a perda imposta aos municípios pela redução do IPI seja compensada com um aporte do Fundo Soberano, que guarda R$ 14,2 bilhões.

Quanto à campanha, ganhará forma nas próximas semanas. Vai girar em torno da caderneta de poupança.

O ciclo de redução das taxas de juros, que deve ser mantido pelo BC, empurra o governo para uma decisão incômoda.

Terá de reduzir o rendimento da poupança. Uma forma de evitar a migração de grandes investidores para uma aplicação voltada para o público de baixa renda.

Alheia às justificativas técnicas, a oposição enxerga no problema do governo uma oportunidade política. Sairá em defesa da caderneta de poupança.

Pretende-se associar o movimento do governo ao “confisco” editado sob Fernando Collor, hoje um aliado do governo Lula.

Busca-se, no momento, um símbolo para a campanha. Foi à mesa, como idéia inicial, a imagem de uma mão espalmada.

Algo que evoque a idéia de “pare”, de “alto lá”, de “na poupança ninguém mexe”.

Escrito por Josias de Souza às 04h28

Um comentário:

gersongblf disse...

A poupança dos Brasileiros é coisa sagrada que deve ter segurança e rentabilidade, pois para muitas pessoas, que não são Grandes Empresários ou altos funcionários públicos com seus grandes salários e aposentadorias integrais garantidas pelo estado, essa poupança suada que para ter um pouco de segurança é depositada em renda Fixa (poupança, CDB da caixa ou Banco do Brasil.)está sendo ameaça pelo PT e o presidente LULA. Vejamos:
De vez em quando o presidente LULA afirma:- "Quem tem dinheiro sobrando que aplique em qualquer coisa e corra riscos."
- "Não é possivel que pessoas que não geram emprego possam ter lucro algum." Acho que ele pensa que todo mundo pode transforma-se em empresário.
O que podemos perceber é que o presidente LULA acha que quem tem poupança, para ele, é considerado especulador, pessoa que não gera emprego. Acho que ele quer que todo mundo que não é Grande Empresário ou alto funcionário público, que não tem emprego garantido quando fica mais velho e aposentadoria integral, não tenha o direito de fazer poupança segura sendo obrigado a arriscar seu dinheiro nos diversos fundos financeiros vendidos pelos Bancos, inclusive Bancos Federais, que não dão nenhuma segurança ao poupador (e que são chamados de aplicações no setor produtivo).
Acho que o PT e LULA não se preocupam com quem faz poupança e quer ver essas pessoas na miséria para que fiquem dependentes de programas como Bolsa Família e Bolsa escola etc, fazendo parte daqueles que passam a depender dos políticos para que eles mantenham o unico meio de sobrevivencia que lhes restou que são esses programas anteriormente citados.
Atualmento LULA e o PT só incentivam as pessoas a consumirem para aumentar o faturamento e o lucro das empresas. Não se fala em poupança. O problema é que quando vem a crise o lucro gerado pelo consumo dos trabalhadores que foi transformado em lucro de empresários e impostos do governo para, pagar altos salários de funcionarios públicos, não garantem o emprego e a vida de quem consumiu e não fez poupança ou que teve a sua poupança dilapidada pelas politicas do governo.
Quando vem a crise no setor publico os seus funcionários públicos tem seus empregos garantidos até conseguem reajustes salarias. Os Grandes empresários são socorridos pelo governo. Mas...
O trabalhador do setor privado que não fez poupança ou aplicou a sua nesses fundos sugeridos pelo governo como aplicações no setor produtivo, esses ficam na miseria esquecidos por todos e se tiverem mais de 40 anos então...
A Ministra Dilma como possivel sucessora do Presidente LULA apenas dara continuidade a essa Pilitica praticada pelo PT.