sexta-feira, 5 de agosto de 2016

PAIS! VALE A PENA LER ...

SETE COISAS QUE CADA PAI DEVE SABER SOBRE POKÉMON GO
Terça-feira passada, algo grande aconteceu. Um novo jogo de quebra de recordes se tornou disponível em dispositivos móveis em todo os Estados Unidos. O jogo é Pokémon GO e ele teve uma ascensão meteórica em apenas uma semana desde o seu lançamento:
1 - Mais baixado app na loja App da Apple 
2 - Instalado em mais de 5% dos celulares com Android nos EUA em dois dias
3 - Mais de 65 milhões de jogadores, superando Twitter em número de usuários nos EUA
4 - As ações da Nintendo subiram quase 25% segunda-feira por causa do jogo - seu maior ganho em mais de 30 anos.
ENTÃO, QUAL É O GRANDE NEGÓCIO COM POKÉMON GO?
Com 65 milhões de jogadores, seus filhos estão ou já vão jogar o jogo ou logo serão incentivados a participar. É fundamental para você se inteirar sobre este app, pois, desse modo, poderá ajudar a proteger os seus filhos e ensiná-los a jogar com segurança se você decidir que eles devem desempenhar esse jogo.
DE ACORDO COM VOX:
Pokémon é uma franquia da Nintendo, lançada na década de 1990. Em seu mundo, "treinadores" que viajaram pelo mundo todo a fim de capturar monstros variados chamados Pokémon-ratos, dragões, criaturas com espadas e muito mais, afim de usar essas criaturas para lutar entre si. O objetivo dos “treinador” é de "pegar todos", como o slogan da franquia sugere, e se tornar um mestre Pokémon ao derrotar “treinadores” prestigiados conhecidos como líderes de ginásio e Quarta Elite.
Pokémon GO utiliza o GPS e o relógio do celular para decidir qual Pokémon aparecem no jogo. Assim, os jogadores devem atravessar todo o mundo real para "pegá-los" no jogo.
Pokémon GO se espalhou rapidamente, como fogo. Ou melhor, mais ainda, pois, até mesmo incêndios não se espalham tão rápido. 
Aqui estão sete coisas que os pais precisam saber sobre o novo jogo extremamente popular.
1 - Pokémon GO tem lugar numa realidade ampliada.
A realidade ampliada refere-se a um ambiente do mundo real cujos elementos são combinados com imagens geradas pelo jogo e som. O jogo pode acontecer nas esquinas das rua reais, lojas, pontos turísticos e em qualquer outro lugar. Os elementos locais do jogo a jogo, como Pokémon, nesta realidade ampliada e os jogadores devem ir a lugares do mundo real para realizar tarefas no jogo. Por exemplo, um jogador pode caminhar para um parque até uma rodovia para pegar um Pokémon que jogo colocou lá, sem se importar com os veículos, dado o extase e, claro, correr o risco de ser atropelado, ou mesmo causando acidentes automobilísticos.
2 - O jogo naturalmente incentiva o exercício.
Antes de chegarmos ao malefício (e nós vamos chegar lá), devemos afirmar este jogo coloca jogadores em movimento. Mesmo outros jogos não podem competir com este tipo de motivação para se mexer. Em um mundo onde a maioria dos jogos incentivam os jogadores a ficar parado por horas e horas, aqui está um jogo que pretende mantê-los em movimento. Na verdade, um artigo recente nos EUA fez a pergunta, "Pokémon Go é a resposta para o problema da obesidade da América?"
3 - O jogo pode ter benefícios para a saúde mental.
Muitos jogadores que sofrem de depressão e ansiedade têm notado que o jogo tem ajudado. O psicólogo John M. Grohol informou no Centro de Psicologia, que os usuários estão relatando uma melhoria inesperada em sua depressão e ansiedade, como resultado de participar do jogo. Ele acredita que o benefício vem incentivando as pessoas a se movimentar, o que, segundo seus estudos, tem mostrado-se benéfico para a saúde mental de seus pacientes. É cedo para dizer, mas se o exercício é bom para a nossa saúde física e mental, Pokémon GO, pelo menos, tem servido para algo bom.
4 - O jogo inclui um componente que serve de "isca".
Uma área de cautela para os pais dos jogadores Pokémon GO é a parte do jogo onde os jogadores podem atrair outros jogadores para lugares específicos. Há relatos de destinos Pokémon (chamados "Academias" e "Poké-paradas") que aparecem nas casas ou escolas das pessoas, até mesmo perto de parques de diversões. Qualquer jogo deste popular que inclui uma capacidade intrínseca para atrair os jovens (o jogo tem classificação para as idades a partir dos 9 anos) para lugares desconhecidos, isso deve deixar os pais em alerta. Há certos lugares onde os jovens não devem ir, mesmo se houver um prêmio Pokémon para apanhar.
5 - Há grande perigo em andar distraído.
Nós já vivemos em um mundo onde a atenção de muitas pessoas é desviada por seus celulares. Pokémon GO incentiva distração, estando em movimento. Devemos ensinar nossos filhos a ficar atentos no que acontece ao seu entorno. Também devemos ensinar nossos filhos a desconfiar de lugares desconhecidos. Se algo não parece certo, confiar no seu instinto de auto preservação.
6 - Alguns locais já foram pedindo aos usuários Pokémon GO para evitar, nos EUA.
O Museu do Holocausto em Washington DC, o Marco Zero 9/11 Memorial e Auschwitz estão entre os locais advertidos aos jogadores manterem distância. Mas, uma das consequências naturais deste jogo é a possibilidade de vadiagem.
Andrew Hollinger, o diretor de comunicações no Museu do Holocausto, pacientemente explicou em um comunicado à Vox que, enquanto ele e os seus colegas procuravam compreender o valor do jogo, ele não entrou em seu museu:
Compreendemos que jogar Pokémon Go em um memorial dedicado às vítimas do nazismo seria inadequada. Nós encorajamos os visitantes a usar seus celulares para compartilhar e interagir com o conteúdo Museum, estando aqui. A tecnologia pode ser uma importante ferramenta de aprendizagem, mas este jogo está fora da nossa missão educativa aqui no memorial. Nós estamos olhando para a forma como o Museu pode ser esquecido a partir deste jogo.
7 - O jogo pode criar uma falsa sensação de camaradagem.
Como muitos dos novos jogos de vídeo na era da internet, os jogadores podem jogar com pessoas que não conhecem na cidade ou no mundo. Os jogadores tem a sensação de estar uma sala cheia de pessoas amigas, mas, na verdade, estão interagindo com pessoas que não conhece e não deve depositar sua confiança. Pokémon GO leva o jogador a pensar que pode encontrar-se com dezenas de pessoas em um parque local para uma batalha. Realizar um objetivo em conjunto pode criar um senso de camaradagem e relacionamento que não seria apropriado ou natural em outra configuração. Tony Kummer desenvolve este ponto em seu post aqui.
Pokémon GO e jogos como ele vieram para ficar. Este é o primeiro jogo de realidade amplioada para realmente decolar, onde sua popularidade garante que mais jogos como ele aparecerão, de agora em diante. É importante que os pais procure pensar intencionalmente de que modo vão ensinar e proteger suas famílias neste novo mundo, onde as pessoas estão caminhando para o parque, não apenas para fazer exercícios, mas para se reunir com estranhos em torno da cidade para outra batalha épica Pokémon GO. 
Andrew Hess
Andrew Hess é editor sênior da Churchleaders.com. Ele dá aulas bíblicas e de psicologia na Colorado Christian University, graduado no Denver Seminary. Escreve no The Gospel Coalition e Liderança Journal. Quando não está trabalhando, Andrew geralmente fica no Colorado, ensinando na escola dominical, ou comprando uma antiguidade de valor inestimável em uma venda de garagem local. Conecte-se com Andrew no Twitter @AndrewWHess.
Traduzido por Neidivaldo Dias da Silva, pastor da Batista Pompéia, uma Congregação da PIB de Curitiba, com maioria de seus membros provenientes do Haiti.

Fica aí a dica!

segunda-feira, 4 de julho de 2016

O ANTÍDOTO PARA O BURNOUT

Chega o dia da sua reunião de Pequenos Grupos, Célula, Grupo Familiar. Como você se preparara para a reunião? Você se sente estressado, cansado, desligado, oprimido, e até um pouco ressentido? Você quer saber quantas pessoas vão aparecer, quando você vai ter tempo para se preparar, e como você vai cobrar energia para escutar as pessoas "difíceis"? Você deseja que a reunião bem poderia ser cancelada, que a reunião não acontecesse e simplesmente relaxar na frente da TV., Notebook, do iPhone, iPad, Tablete, Galaxy, etc.

Ei, preste atenção! Você não está sozinho. A maioria dos líderes de Pequenos Grupos, Células, Grupos Familiares, tem experimentado isso em algum momento de suas vidas. Para alguns, estes sentimentos duram apenas um curto tempo, mas para os outros, eles podem arrastar por semanas, meses ou mesmo anos. 
  
Nós muitas vezes perdemos a alegria de ministrar e sentimos queimados, faltando concentração no que estamos fazendo, pensamos em desanimar. Nós valorizamos mais o resultado do que o processo daquilo que realizamos. Vivemos em uma cultura onde o maior valor é muitas vezes derivado do que fazemos e como o fazemos. Esta orientação pode influenciar em nosso ministério, dificultando aquilo que produzimos. Nossa saúde espiritual, no entanto, não pode depender da forma como muitas pessoas vêm para reuniões de grupo, o número de projetos curriculares e de serviço completar, ou mesmo quanto os membros estão crescendo (ou não) espiritualmente. Em vez disso, devemos nos concentrar nas tarefas e objetivos, devemos nos concentrar em permanecer em Jesus Cristo, convidando-o em nossas atividades diárias, e seguindo a orientação do Espírito Santo. Só quando fixamos os nossos olhos em Deus, em vez de nossas próprias realizações, vamos ser realizados e não nos vulnerar em perigo de esgotamento. 

Você está em perigo de esgotamento? Aqui estão nove sinais de alerta a ser considerados:1 - Suas orações em favor do seu grupo e seus membros estão cada vez mais limitadas e/ou superficiais?

2 - Você se torna mais impaciente e crítica em relação às pessoas em seu grupo?

3 -
Durante as reuniões, você sente que está apenas fazendo por fazer?

4 - Você toma decisões com base no que é fácil, não no que deva ser melhor?

5 - Cuidar de pessoas no seu grupo é um fardo estressante e indesejável?

6 - Você evita o contato com o seu líder de Pequenos Grupos ou seu Pastor, por se sentir culpado?

7 - Você está esperando Deus transformá-lo ou qualquer outra pessoa no grupo?

8 - Você raramente abre sua Bíblia a não ser para preparar para o estudo em grupo?

9 - Suas responsabilidades ministeriais parecem deixar pouco tempo ou energia para a vida com a família ou amigos?Claro que pode haver ocasiões ou uma temporada no ministério onde você pode experimentar algumas das dinâmicas listadas. No entanto, se qualquer uma das interrogações acima tornou-se um padrão que se repete em sua vida, você está em risco de esgotamento ministério. Mas, calma, há um antídoto.

CONECTE-SE A VIDEIRA:

Durante o ministério de Jesus Cristo na Terra, ele usou uma metáfora de um ramo a ser ligado à videira para instruir os discípulos para permanecer nele. João 15:4-5 (NVI) diz: "Permanecei em Mim, e Eu em vós como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim pois eu sou a videira, vós sois os ramos aquele que permanece em mim, e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer" A palavra grega, aqui traduzida como: permanecer, interrupção, aderir, ou viver dentro. Jesus Cristo está nos exortando a nos envolver em uma vida com Deus. O termo não é um sentimento, mas uma atitude, exigindo movimento intencional da nossa parte. Bruce Wilkinson falando sobre o tema, diz: "o respeito, a permanência, para ficar intimamente ligado, para se instalarem em longo prazo. Com esta imagem Jesus Cristo está mostrando os discípulos como uma ligação vital em curso com ele irá determinar diretamente a quantidade de poder sobrenatural em suas vidas ".

Nota: Traduzido & adaptado.

MELHOR DO QUE TER QUE FALAR, É TER O QUE FALAR!

É bem por aí. Num mundo em que as pessoas falam incessantemente, haja vista o mundo político, jurídico, há quem fala desordenadamente, causando malefícios maiores do que os benefícios intencionados.
Há uma vontade enorme em falar. Tenho pra mim que, antes de ter que falar, precisamos ter o que falar, pois, a nossa fala é um dom que recebemos de Deus, a fim de ser usada como instrumento para edificar aos nossos semelhantes, e, ultimamente, até às criaturas! Então, como ferramenta/dom, devamos tomar o devido cuidado, a fim de usar sempre para o benefício das pessoas, a fim de causar-lhes algo edificante, não devamos utilizar para causar-lhes mal, pois, Deus, doador maior, julga a todos e a todos recompensa ou castiga.

SÓ FILOSOFANDO ...

Há muito o que se falar de TRABALHO, ALIENAÇÃO  e CONSUMO. 

TRABALHO

Há quem diga que trabalhar enaltece o ser humano, concordo, até certo ponto, pois, creio que temos que trabalhar naquilo que nos dá prazer, satisfação, enfim, fazendo aquilo que gostamos de fazer, desde que isso seja algo que seja pautado em princípios cristãos. 

ALIENAÇÃO

Quando à alienação, há quem acredite que trabalhar constitua sua única missão aqui na terra, trabalha tanto que nem ver a vida passar, não aproveita seu precioso tempo para ir ao Parque com a família, conversar com um amigo, jogar conversas fora, afunda-se no trabalho, deixando a vida passar. 

CONSUMO

Quanto ao consumo, há quem atue com Oniomania, compra só pelo prazer de comprar, alguém assevera que esse ato é só das mulheres, entretanto, observo que é uma patologia e, como tal, não tem preferencia de gênero.

E quando tudo, ou seja: TRABALHO, ALIENAÇÃO, CONSUMO se encontram, tornando-se altamente prejudicial ao ser humano, levando-o à doença? Bem, sabemos que temos que trabalhar, pois, como dizia o Apóstolo Paulo: " ... quem não trabalhar, que não coma ...", entretanto, não devamos permitir que o trabalho torne-se alienado, ou seja, quando trabalho não faz sentido, trabalhamos sem o prazer de trabalhar, pois, fazendo desse modo, além de adoecer, não crescemos como pessoa.

Numa busca desenfreada pelo capital, pelo recurso financeiro, na maioria das vezes não apercebemos que o trabalho surgiu, inicialmente, para proporcionar-nos prazer, que, acima do salário deve vir a satisfação. Não devamos seguir a tendência, a moda, comprando só pelo prazer de comprar, mas, comprando conforme a nossa necessidade, sempre levando em consideração o consumo inteligente.

terça-feira, 27 de maio de 2014

ESSA É A SITUAÇÃO, INFELIZMENTE!

"Mas, a quem assemelharei esta geração? É semelhante aos meninos que se assentam nas praças, e clamam aos seus companheiros, e dizem: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos lamentações, e não chorastes." Mateus 11:16-17

 Olhando o atual cenário na cristandade na atualidade, dá pena, me faz lembrar uma canção composta pelo Atilano Muradas, veja a seguir ...

Orar
Atilano Muradas

Orar, ah! Orar
Quem é que sabe orar

Orar não é pedir e só pedir
Orar não é falar até cansar
Orar, você pode orar em casa,
na igreja, no seu carro,
pode orar até na rua

Orar é falar com Deus
é louvar e agradecer
pela vida que nos deu

Orar é se abrir com Deus
dizer o pensamento seu
que Ele vai lhe entender

Orar, ah! orar
quem é que sabe orar?

Orar não é chorar até secar
Orar não é só ajoelhar
Orar não é só falar em línguas
Não é só interceder
Não é só de madrugada

Pra orar é preciso disciplina
Mas não é a disciplina que fará Deus responder
Orar é ligar-se ao céu
É a chave para o crente receber poder de Deus

Orar, ah! orar
quem é que sabe orar?

Se você continuar a fazer o que sempre fez
certamente obterá o que sempre obteve (eu sei)
Se você continuar a orar o que sempre orou
certamente obterá o que sempre obteve (eu sei)
cada dia é preciso, é preciso mais fé
é preciso deixarmos de ser Tomé
pois é, pois é cada dia é preciso, é preciso mais fé
é preciso deixarmos de ser Tomé, pois é, pois é

orar, ah! orar
quem é que sabe orar?

Orar não é chorar até secar
Orar não é só ajoelhar
Orar não é só falar em línguas
Não é só interceder
Não é só de madrugada

Pra orar é preciso disciplina
Mas não é a disciplina que fará Deus responder
Orar é ligar-se ao céu
É a chave para o crente receber poder de Deus

orar, ah! orar
quem é que sabe orar?

orar ah! orar!
eu já sei orar!

orar, ah orar!
você já sabe orar?

Confesso que, olhando a situação vigente, acabo me pegando olhando o retrovisor eclesiástico e, pego-me na fatídica rua Azuza, onde um grupo de cristãos mau orientados começou o que até hoje nos caçoa, o que denomino de playground da fé cristã, envergonhando, muitas vezes o nome de Cristo e Sua obra. 
Acabo por concordar com os Puritanos que, certamente via na sua geração o mesmo que vejo hoje em dia, ou seja, o cumprimento das palavras de Jesus Cristo ao observar os seus patrícios na sua época. Francamente, chega de ficar buscando "chifres em cabeças de cavalos", vamos pregar com honestidade a Palavra e viver o sentido lato daquilo que pregamos, então, só assim, o mundo será de fato alcançado com a Mensagem do Senhor Jesus Cristo. Abraço!
Mas, a quem assemelharei esta geração? É semelhante aos meninos que se assentam nas praças, e clamam aos seus companheiros,
E dizem: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos lamentações, e não chorastes.

Mateus 11:16-17
Mas, a quem assemelharei esta geração? É semelhante aos meninos que se assentam nas praças, e clamam aos seus companheiros,
E dizem: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos lamentações, e não chorastes.

Mateus 11:16-17
Mas, a quem assemelharei esta geração? É semelhante aos meninos que se assentam nas praças, e clamam aos seus companheiros,
E dizem: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos lamentações, e não chorastes.

Mateus 11:16-17

VIDA QUE SEGUE ...

Hoje, na minha caminhada matinal fiquei elucubrando sobre a vida. Sim, quantas pessoas boas e más conhecemos, na verdade, muito mais boas, claro. Quantos lugares importantes e outros nem tanto, conhecemos, uns gostamos tanto que acabamos por voltar várias vezes lá, outros nem tanto, procuramos evitar voltar.
Bem, estive também pensando nos momentos maravilhosos e outros nem tanto assim que vivemos neste mundo de nosso Deus! Uns que, por ser tão bons, resolvemos esticar para a vida inteira e outros nem tanto que procuramos esquecer. 
Estive pensando também no ministério cristão. Bem, quantas igrejas conhecemos, umas de tão legais que sentimos saudade, outras nem tanto que procuramos deixar pra lá, levando em consideração que já cumprimos o nosso papel diante de Deus.
Quantas pessoas marcaram nossas vidas, umas tão boas que sentimos falta, outras nem tanto que procuramos deixar no esquecimento, entretanto, de vez em quando, lembramos a fim de pedir a Deus que tenha compaixão delas!
Bem, vida que segue ...

sábado, 15 de março de 2014

NUNCA SE SABE ...

Bem, como parte do rebanho, tenho analisado as ovelhas e, confesso que tenho me preocupado com o comportamento da maioria delas. Tenho analisado que muitos líderes tem apresentado um frenesi enorme em busca de algo pra entreter seus liderados e, isso realmente me preocupa. Há quem hoje em dia tente desenterrar práticas que a denominação enterrou há quatro ou cinco décadas atrás, que situação!? Nunca se sabe realmente onde tudo isso vai parar.
Eu, mesmo que todos descambem para doutrinas e práticas estranhas, continuarei firme nas doutrinas bíblicas, demonstrando práticas cristãs, procurando pregar: sola scripture, sola gratia, sola fidia.